Lançamento do livro Antúrios: Esquizofrenia e incapacidade para atos da vida civil

Lançamento do livro Antúrios: Esquizofrenia e incapacidade para atos da vida civil

A Umanos Editora e o escritor Lourembergue Alves vai lançar o romance Antúrios: Esquizofrenia e incapacidade para atos da vida civil. O evento de lançamento acontecerá no Espaço 300 anos do Goiabeiras, no dia 15 de fevereiro de 2020, às 19:00.

Apresentação

Caro (a) leitor (a), apresento-lhe o meu mais novo livro. É mais uma narrativa romanceada. Com esta, agora, já são quatro romances, que se somam a outros, entre os quais um livro de contos e os que versam a respeito do jogo político-eleitoral. O que tens as mãos, intitulado “Antúrios, esquizofrenia e incapacidade para os atos da vida civil”, traz situações vividas por Tânia, a qual se viu forçada, pelos próprios pais e irmãs, a ser Antônio. Protagonista que, ainda criança, fora levada a entrar em uma corrida de 1.000 metros com barreiras. Corrida que parecia não ter fim, ainda que tivesse percorrido um grande trecho, e até os obstáculos, embora alguns deles ultrapassados, aumentavam e avolumavam-se ano após ano, o que dificultavam o seu próprio viver. Dificuldade agigantada. Pois ela estava decidida, desde o princípio, a não permanecer no casulo em que lhe fora imposto pelo nascimento, nem com a pecha que trazia na certidão lavrada e depositada aos cuidados de um cartório, tampouco a vida que achavam que deveria levar.  

Rebeldia não de uma geração para com a outra, mas de gênero, a qual não aparece nos dicionários, embora carregue significado. Ainda que fugidia ou mesmo instável, e tenha a força de múltiplos apelos, uma vez que a identidade do sujeito é construída, e não dada ou acabada. Construída no dia a dia, mesmo diante do policiamento e da censura. Estimulada pela tia Ana, ela seguiu em frente, recuou-se, titubeou-se, e se viu entre as encruzilhadas da solidão, da incompreensão e do preconceito. Preconceito que se materializou em gestos, em palavras ditas e escritas, inclusive, em portas de banheiros das escolas.

Tânia remoeu suas dores. Fechou em si mesma, auto isolou e se silenciou as voltas, quando criança, com “galinha feita de papel” ou, na adolescência, com o Patrick, um parceiro imaginado e com quem manteve diariamente prosa inexistente. Esta era a forma que ela encontrou para não se perder em meio ao redemoinho do isolamento que ela mesma criou ou fora levada a criá-lo, e, ao mesmo tempo, não se deixou levar pelas ondas da exclusão em que se viu jogada, ora pelos pais, ora pelas irmãs e pelos vizinhos. Com a morte da tia, perdeu o seu porto seguro. Tornou-se introvertida, pouco falante e afastada. Oportunidade em que Cenira precisava para convencer Lenice, a mãe de ambas, do real estado de saúde de Tânia. Tanto falou que acabou por convencê-la. E, não só isto, conseguiu fazê-la seguir suas recomendações, repetidas cotidianamente. Levaram-na, então, para um renomado médico-psiquiatra, Ubiraci Machado Baralho, contatado e contratado por Cenira. Depois de dois ou três encontros entre o especialista e a paciente, o laudo, cujo teor colocava Tânia como esquizofrenia paranóide dentro de transtorno de personalidade, o que a diagnosticava como incapaz para os atos da vida civil.

Condição que serviu para Lenice, através de seu advogado, entrar com o pedido de interdição da própria filha. Solicitação aceita. Julgamento antecipado da lide. A interditada entrou com um recurso de apelação civil. O que foi aceito pela Procuradoria-Geral da Justiça, pois era flagrante a violação ao contraditório e a ampla defesa. Nova perícia, com a juntada do laudo pericial aos autos, novo julgamento, e,

uma vez mais, repetiu-se a decisão judicial anterior. Inconformada, Tânia recorreu, e se valeu de todos os recursos que lhe foram possíveis. Perdeu a todos. Mesmo assim, não deu o braço a torcer, ainda que nada mais lhe restasse a fazer.

Coube a mãe a condição de sua curadora. Falecida, Cenira assumiu o papel de representar à interditada. Condição que, ao contrário de reaproximar as duas irmãs, acirrou ainda mais os desentendimentos entre elas. Acusações mútuas. Sempre maiores. E não era para menos, pois estava em jogo a herança deixada por seus pais, pensão por morte, dinheiro e o poder no seio da família, ou do que se restou dela. A prisão e a confissão de um prisioneiro mudaram por completo tal situação. A interdição foi revista. E, por fim, o tão esperado acerto de contas entre as irmãs. Ah!… Agora não. É preferível esperar o momento certo para descrevê-lo. Até lá, caro (a) leitor (a), terás o encontro com Paulo que, atraído por uma imagem, se vê diante de papeladas, anotações e fotografias. Outrora desorganizadas. Juntou-as, organizou-as de acordo com que os fatos se deram, e, desse modo, permitiu que tivessem uma narrativa didática. É isto.          

Esperamos por você no lançamento!

Livro traz historia de 20 mulheres empreendedoras de Mato Grosso

28 de janeiro de 2020

3º Contos do Mato

28 de janeiro de 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *